Cientistas estudam armazenamento de dados em memória atômica. Saiba mais

memoria-atomica

memoria-atomica

Você já ouviu falar em memória atômica? Ao invés de usar discos magnéticos ou circuitos integrados, como discos rígidos de hoje e unidades de estado sólido, essa tecnologia usa um arranjo de átomos individuais para armazenar dados. Pesquisas sugerem que esse tipo de armazenamento pode alcançar densidade de informação de 502 terabits por polegada quadrada, em comparação com 1,34 terabits atuais.

A versão atual do experimento usa 60.000 átomos de cloro em uma camada de cobre, arranjadas e medidas usando um microscópio. Existem algumas limitações importantes para a tecnologia, no entanto, já que o experimento só pode codificar um único kilobyte de dados. Além disso, o processo de memória atômica deve permanecer a temperatura zero absoluto. Caso os dados sejam aquecidos, os átomos retornam ao movimento regular eliminando as informações. Curioso, não?

Fonte: The Verge
Foto: Reprodução/”A kilobyte rewritable atomic memory”, Nature Nanotechnology

Empresa japonesa redesenha navio container e reduz emissão de CO2

navio-container

navio-container

Navios containers são grandes e possuem alto gasto de combustível. Para reduzir esse gasto e contribuir para a preservação dos oceanos, a empresa de construção naval japonesa Kyokuyo Shipyard redesenhou a frente de um navio, já que quanto mais elevada for a resistência ao vento mais combustível é queimado para manter uma velocidade desejada.

Para reduzir essa resistência, Kyokuyo Estaleiro desenvolveu o arco em forma semi-esférica que foi diminuiu em até 50%. Em termos reais, o novo arco corta consumo de energia em 11%, o que em um navio de recipiente capaz de transportar 2.000 carros (540 TEU) significa 807 toneladas a menos de combustível consumido a cada ano, o que equivale a 2.500 toneladas a menos de emissões de CO2.

Fonte: Geek.com
Foto: Pixabay

NASA cria projeto de mineração na lua

mineracao-na-lua

mineracao-na-lua

A NASA sempre planejou uma missão de mineração na lua. Os planos podem finalmente sair do papel, já que a empresa está trabalhando com o Instituto de Ciência e Tecnologia em Taiwan para construir o módulo lunar e lançá-lo no início dos anos 2020. O objetivo é provar que os materiais importantes podem ser extraídos na Lua, aumentando assim o alcance da humanidade no espaço.

A missão será chamada de Recursos Prospector e a maior parte da ação terá lugar em um pequeno rover projetado para digitalizar a superfície lunar para a evidência de materiais úteis e iniciar a mineração. Com o nosso nível atual de tecnologia, missões espaciais precisam ter todos os recursos necessários para a viagem.Isso significa que mais combustível , mais dinheiro e menos espaço para erros. O oxigênio, hidrogênio e depósitos de água congelados na superfície lunar poderiam ser usados para gerar combustível, ar respirável e água potável. O Instituto Chung- shan está programado para entregar o lander e o rover à NASA até o final de 2018.

Fonte: Geek.com
Foto: Reprodução

Blue Origin testa foguete que levará passageiros ao espaço

pouso

pouso

A empresa privada de voo espacial Blue Origin pousou o seu foguete New Shepard intencionalmente. A ideia era ver se o veículo pode manter as pessoas seguras em caso de algum acidente. O teste provou que sim. O CEO Jeff Bezos disse em um e-mail que a empresa recebeu bons resultados à partir desse pouso forçado, indicando que nenhum passageiro a bordo sofria algum tipo de dano.

The New Shepard é um foguete reutilizável da Blue Origin, projetado para levar seis passageiros para espaço onde podem experimentar alguns minutos de ausência de peso. Os passageiros se abrigariam dentro de uma cápsula de tripulação que fica no topo do foguete. Uma vez no espaço, o foguete e a equipe estariam em uma cápsula separada. A parte do foguete do veículo reacende seus motores para aterrizar na vertical em terra firme, enquanto a cápsula implanta paraquedas para desacelerar sua queda. A empresa ainda vai continuar testando o veículo até o final do ano, antes de iniciar os primeiros voos de teste tripulados do foguete no próximo ano. E aí, você toparia fazer uma viagem espacial?

Fonte: The Verge
Foto: Reprodução/ Blue Origin

Veja o interior da nave espacial Columbia em 3D

apolo

apolo

O Museu Smithsonian e Autodesk criaram uma varredura 3D do interior da nave espacial Columbia – módulo de comando que Neil Armstrong, Buzz Aldrin e Michael Collins montaram até a órbita lunar. A varredura, que está disponível em 3d.si.edu, permite que as pessoas explorem o interior da nave espacial em realidade virtual.

A nave espacial em forma de cápsula foi montada em cima do foguete Saturno V, da NASA, e levou três astronautas famosos da Terra em órbita em torno da Lua. Uma vez em órbita lunar, os astronautas separados do restante do foguete, foram conectados ao módulo lunar chamado Águia. Armstrong e Aldrin, em seguida, arrastaram para a Águia de Columbia, e desceram para a superfície lunar para realizar a sua caminhada revolucionária.

Fonte: The Verge
Foto: Reprodução/Smithsonian

NASA realiza testes de novos materiais para construção de foguetes

testes-nasa

testes-nasa

Com o objetivo de encontrar novos materiais para a construção de foguetes, a NASA realiza constantemente testes de pressão. No vídeo, você pode ver um dos testes da agência espacial que utilizou barris com 8,4 pés de altura que foram manipulados com uma rede de 300 sensores de tensão eletrônicos e 16.000 sensores de fibra óptica para medir a sua integridade estrutural durante o processo.

O material a ser testado no vídeo poderia um dia ser usado para a construção de estruturas de lançamento de veículos. Para a NASA, esses tipos de materiais podem ter muitas vantagens sobre os metais tradicionais, incluindo “massa inferior, melhor resistência à fadiga, menor número de peças, e redução do custo do ciclo de vida”. Mas, antes de colocá-lo em prática, é necessário testá-los para garantir que eles possam suportar as intensas pressões de um lançamento espacial.

Os barris no vídeo acima estão sendo espremidos com cargas de compressão de quase 900.000 libras – o equivalente ao peso de cerca de 60 elefantes adultos. Os engenheiros da NASA dizem que foram capazes de prever quando os barris iriam quebrar dentro de uma precisão de 1%, mas ainda ficaram surpresos quando o ponto de ruptura chegou. “Todos os olhos estavam sobre o artigo de teste e, embora esperávamos, a falha ainda nos pegou de surpresa”, disse o engenheiro de pesquisa Marc Schultz. “O primeiro estrondo nos assustou e então vimos a rachadura ao redor do barril que se formou quase instantaneamente à partir do evento de flambagem”.

Fonte: The Verge
Foto: Reprodução

Imagem de peixes em 3D permite estudar profundamente espécies

foto-peixes-3d

foto-peixes-3d

Um professor da Universidade de Washington quer ter um acervo com a imagem 3D de todos os peixes no mar. Com um scanner CT $ 340.000, Adam Summers e seus assistentes vão construir um catálogo completo dos mais de 25.000 tipos de peixe. Os modelos digitais permitem comparações exatas entre as espécies, além de ter como estudar profundamente o crânio, cauda, ​​vértebra ou peixe inteiro para comparar com uma amostra do mundo real. “Ter este scanner deixa claro para mim o incrível poder desse sistema se você pensar sobre isso da maneira certa”, comentou Summers em um comunicado à imprensa UW. “Esses exames estão transformando a maneira como pensamos sobre dados 3-D e acessibilidade.”

 

O laboratório está na ilha de San Juan, na região de Puget Sound of Washington. Summers acredita que vai demorar entre dois e três anos para digitalizar todos eles, mas isso não significa que seu trabalho terá terminado. Em seguida, ele planeja digitalizar os restantes 50.000 ou assim vertebrados na Terra – uma tarefa consideravelmente maior de várias maneiras.

 

Se você quer ver as espécies já catalogadas em 3D, basta acessar o Framework Open Science. Todos os arquivos tem ótima resolução e estão livres para download.

Fonte: Techcrunch
Foto: Reprodução

Pedido de verificação da conta no Twitter será menos demorado. Confira

atualizacao-twitter

atualizacao-twitterEm breve será muito mais fácil obter a verificação da conta oficial no Twitter. A empresa terá uma forma oficial para usuários solicitarem uma conta verificada através de uma aplicação online. O novo processo de candidatura já está sendo possível para os usuários nos EUA e estará disponível para o resto do mundo nos próximos dias.

Em um comunicado divulgado na última terça-feira, a rede social disse que verificar contas é uma forma de suprir o interesse público. “Normalmente, isso inclui contas mantidas por figuras públicas e organizações em música, TV, cinema, moda, governo, política, religião, jornalismo, mídia, esportes, negócios e outras áreas de juro”, disse a empresa.

Twitter também tem uma nova página de suporte que detalha o processo e os requisitos de conta mais a fundo. Além de ser de interesse público, contas que buscam a verificação devem incluir um número confirmado de telefone e endereço de e-mail, data de nascimento (para pessoas físicas), website, bio e foto de perfil que “reflete a pessoa ou a marca da empresa”. A rede social também solicita que os usuários fornecem URLs de apoio que demonstram “noticiabilidade ou a relevância do titular da conta em seu campo”. Todo o processo não deverá demorar mais de 30 dias, de acordo com a empresa, e as contas são capazes de voltar a apresentar pedidos que foram negados.

Fonte: Mashable
Foto: Pixabay

 

Space X quer pousar três foguetes de uma só vez

foguete-indiano

foguete-indiano

A Space X aterrizou com sucesso o foguete Falcon 9 após usá-lo para uma missão de abastecimento da Estação Espacial Internacional. Esta foi a segunda vez que a empresa pousou um de seus foguetes em terra firme. Agora, Space X pretende aterrizar três foguetes ao mesmo tempo. O jornal Orlando Sentinel relatou que a empresa está buscando permissão federal para dois novos locais de pouso na Flórida, já que a localização de desembarque extra é necessário para que a SpaceX recupere o novo foguete que será lançado: Falcon Heavy, veículo de lançamento mais poderoso que o Falcon 9 e que foi construído à partir de três foguetes separados. Elon Musk confirmou no Twitter que ele “mal pode pode esperar para ver todos os três núcleos de Falcon Heavy voltar para pousos”.

 
Como notas de Musk, os dois primeiros foguetes do Falcon Heavy iriam pousar ao mesmo tempo. A empresa confirmou à publicação que “espera para voar Falcon Heavy pela primeira vez no final deste ano”, e é “buscar aprovação regulamentar para construir duas almofadas de aterragem adicionais na Estação da Força Aérea do Cabo”. Se esses novos foguetes pousarem no mar ou em terra será um marco importante para a Space X. Segundo a empresa, o Heavy terá mais de 5 milhões de libras de empuxo (equivalente a 18 Boeing 747s), e será capaz de levantar uma carga mais pesada do que qualquer outro foguete na história. O objetivo final para o Heavy, diz Musk, será a futura missão a Marte.

 
Fonte: The Verge
Foto: Pixabay

 

 

Cientistas reúnem 1,2 milhão de galáxias em um mapa

cmass-720px

cmass-720px

Cientistas do mundo tudo se uniram para criar o maior mapa de galáxias já nunca projetado antes. Foi possível reunir 1,2 milhão de galáxias e, para isso, levaram um pouco mais de 5 anos de trabalho. As imagens foram captadas com auxílio de um programa chamado BOSS (Baryon Oscillation Spectroscopic Survey) que tem como objetivo estudar profundamente o universo com perspectiva geométrica. “O mapa revelado por BOSS permite que cientistas meçam o índice de expansão do nosso universo e determinem a quantidade de energia e matéria escura que constituem o universo atual”, diz um dos texto de divulgação sobre a descoberta.

Confira o texto do estudo na íntegra.
https://www.bnl.gov/newsroom/news.php?a=11854

Fonte: SuperInteressante
Foto: Reprodução/Bnl.gov