Brinquedos tecnológicos ajudam na aprendizagem de crianças autistas

crianças

crianças

Aspect Hunter School, em Sydney, é uma escola para crianças autistas. O vice-diretor, Craig Smith, explicou em entrevista ao Mashable que utiliza três métodos principais para envolver as crianças na aprendizagem. A primeira é a interação com o mundo natural, tais como jardinagem; o segundo é a construção usando brinquedos como Lego e a terceira é através de ferramentas virtuais, como Minecraft.

O robô Sphero, por exemplo, auxilia as crianças na aprendizagem da fala, além de muitos exercícios de classe que envolvem a construção de mapas da escola em grupos. “Conseguimos fazer com que os alunos se expressassem. Eles ouvem e interagem muito bem uns com os outros”, disse o vice-diretor.

Fonte: Mashable
Foto: Pixabay

Pesquisadores criam processador que economia energia

processador-que-economiza-energia

processador-que-economiza-energia

Cientistas da Universidade da Califórnia criaram o primeiro processador 1000-core. Oficialmente revelado no  Symposium on VLSI Tecnologia e Circuitos em Honolulu em 16 de junho desse ano, o chip KiloCore tem 621 milhões de transistores e atinge 1,78 trilhões de instruções por segundo. “Para o melhor do nosso conhecimento, é o primeiro chip com 1.000 processadores do mundo”, disse o líder da equipe Bevan Baas em um comunicado.

O KiloCore é diferente de processadores multi-core tradicionais de várias maneiras. Em primeiro lugar, cada um dos seus núcleos trabalham de forma independente, o que significa que podem se desligar quando não forem usados, economizando energia. Além disso, o chip pode executar 115 mil milhões de instruções por segundo.

Indicado para uso profissional, algumas das aplicações serão criptografadas, haverá processamento de vídeo, codificação sem fio e registro de decodificação e datacenter.

Fonte: Mashable
Foto: Reprodução/UCDAVIS

Novo estudo sugere que campo elétrico de Vênus teria feito água evaporar

venus

venus

Pesquisas anteriores descobriram que a atmosfera de Vênus é estranhamente seca, com “10.000 a 100.000 vezes menos água do que a da Terra”, disse a NASA . Um novo estudo publicado na revista Geophysical Research Letters sugere que o planeta tem campos elétricos que podem ter puxado as moléculas à partir das partes superiores da atmosfera para o espaço, superando a gravidade do planeta.

Os dados recolhidos pela sonda Venus Express, da Agência Espacial Europeia (detalhadas no novo estudo ), mostram que o campo elétrico de Vênus é particularmente forte e poderia ser responsável pela vaporização de água do planeta. “Descobrimos que o vento elétrico é capaz de sugar a água de Vênus, por si só,” disse Glyn Collinson, co-autor do novo estudo, em um comunicado. Novos estudos serão feitos para atestar se esses novos dados são realmente pertinentes.

Fonte: Mashable
Foto: Pixabay

NASA encontra novo material em Marte que poderia reescrever toda a história

marte

marte

No ano passado, a NASA perfurou a superfície de Marte e encontrou um mineral chamado tridimita. Uma análise desta descoberta acaba de ser publicada na revista Proceedings, da Academia Nacional de Ciências, explicando que a presença de tridimita poderia mudar completamente a nossa compreensão do passado do planeta vermelho.

Tridimita é um mineral dióxido de silício (sílica), que cristaliza a baixa pressão e temperaturas elevadas superiores a 800 ºC (1472 graus F) e só está associada com as altas temperaturas e as condições observadas em vulcanismo silícico – vulcões com magma que contêm uma grande proporção de sílica. Após a confirmação de uma elevada concentração desse mineral nas amostras, pesquisadores acreditam que é possível que o planeta já foi muito mais geologicamente ativo do que pensávamos. Estes níveis de tridimita significariam também que Marte tinha mais água disponível na superfície.

Fonte: Geek.com

Cientistas descobrem maneira de reproduzir cabelo em 3D

fio-em-3d

fio-em-3d

Os engenheiros de software no Media Lab do MIT criaram um método para modelar e imprimir milhares de estruturas semelhantes a pelos em uma superfície curva. A plataforma de software que eles construíram é chamada Cilllia e permite aos usuários definir o ângulo, espessura, densidade e altura de milhares de pelos em apenas alguns minutos. É possível reproduzir cerdas grossas, finas e até mesmo estruturas semelhantes ao fio de cabelo humano.”É muito inspirador ver como estas estruturas ocorrem na natureza e como eles podem alcançar funções diferentes”, disse Jifei Ou, principal autor de um artigo que descreveu o projeto. “Estamos apenas tentando pensar como podemos utilizar plenamente o potencial da impressão em 3D, e criar novos materiais funcionais, cujas propriedades são facilmente ajustáveis ​​e controláveis.”

Fonte: Techradar
Foto: Reprodução

Google premia pesquisadores que descobrem falhas no sistema Android. Confira

android-994910_960_720

android-994910_960_720

O Google já começou seu programa de recompensas em relação a segurança dos androides. A concessão de dinheiro para pesquisadores que encontram vulnerabilidades no sistema, bem como telefones e tablets Nexus já começou a ser colocada em prática. Até agora, a empresa pagou mais de US$ 550.000 para 82 indivíduos que entregaram mais de 250 relatórios de vulnerabilidade de qualificação.

À partir de agora, os pesquisadores que disponibilizarem à empresa os relatórios de vulnerabilidade com prova de conceito receberá 33% a mais. Os relatórios de vulnerabilidades de alta qualidade com uma prova de conceito e um teste CTS receberão 50% a mais.

O programa de recompensas de Segurança Android premia financeiramente pesquisadores que descobrem falhas de segurança em software e hardware do Google. Desde janeiro de 2015, o Google também foi executado um programa chamado de vulnerabilidade Bolsas de Investigação , o que dá dinheiro para especialistas para encontrar erros antes de começar seu trabalho. E aí, o que acha de participar também?

Fonte: Mashable
Foto: Pixabay

Terra tem um asteroide que está em órbita há 50 anos

asteroide-na-terra

Cientistas da NAasteroide-na-terraSA visualizaram um asteroide que está em órbita ao redor da Terra durante os últimos 50 anos. Conhecido como 2016 HO3, ele foi detectado em 27 de abril de 2016 pela Organização Pan – STARRS 1. Enquanto ele faz um loop em torno da Terra numa órbita relativamente estável, ele nunca ficará perto o suficiente do nosso planeta, já que está há 9 milhões de milhas  (14 milhões de quilômetros).

Como a sua composição é atualmente desconhecida, o asteroide está muito distante de nós e por isso nunca conseguimos visualizá-lo. Os cientistas esperam que ele permaneça em órbita por pelo menos mais alguns séculos. A NASA diz que 2016 HO3 seria classificado precisamente como um satélite por causa de sua extrema distância da Terra.

Fonte: Geek.com
Foto: Pixabay

 

NASA investe em divulgação para convidar pessoas para missão à Marte

nasa

A NASA quer mandar humanos até 2030 para explorarem Marte. A agência criou 8 posteres para convocar pessoas para assumir várias funções durante a missão. As artes fizeram parte de uma exposição no Kennedy Space Center, na Flórida. Se você gostaria de ser um desses sortudos, já pode baixar as fotos em alta resolução como forma de inspiração! E aí, vai encarar?

Fonte: SuperInteressante
Gif: NASA

Cientistas detectaram ondas gravitacionais no espaço

espaco

espaco

Pela segunda vez na história, os cientistas detectaram diretamente ondas gravitacionais e eles acreditam que o sinal foi criado pela colisão de dois buracos negros. “O primeiro evento foi tão bonito que quase não podia acreditar. Agora, o fato de ter visto outra onda gravitacional prova que de fato estamos observando uma população de buracos negros binários no universo. Sabemos que vamos ver muitos destes com frequência suficiente para tornar a ciência interessante fora delas”, comentou Salvatore Vitale, pesquisador e membro da equipe LIGO.

As ondas gravitacionais são ondulações no tecido do espaço causadas ​​por eventos extremos, como por exemplo, a colisão entre os buracos negros. O que deixou os pesquisadores ainda mais animados é que detectar ondas gravitacionais só confirma ainda mais a teoria da relatividade geral de Einstein. Com a relatividade geral, Einstein explicou o conceito de gravidade de uma forma totalmente nova. Ele teorizou que objetos massivos no universo distorcem o tecido do espaço-tempo, que é sentida como a gravidade.

Ao estudar as ondas gravitacionais, os pesquisadores podem aprender mais sobre a frequência dos buracos negros e como eles se fundem. “Como você pode imaginar, essas detecções tiveram um forte impacto em nossas vidas, porque estávamos esperando por isso por um tempo muito longo. Tem sido uma experiência incrível nos últimos meses”, comentou Lisa Barsotti, cientista principal da pesquisa no MIT e membro da equipe de LIGO.

Fonte: Techcrunch
Foto: Pixabay