Rover da NASA retomou operações completas após problema no software

nuvem

A NASA confirmou a retomada do rover Mars após ser forçado em um modo de espera no início deste mês. A empresa colocou o rover em modo de segurança como medida de precaução após a detecção de um erro em seus sistemas, mas o que tudo indica, já saiu do modo de hibernação. A NASA determinou que a causa mais provável desse erro era uma incompatibilidade de software em sistemas de transferência de imagens e uma falha que poderia ter causado problemas quando o rover enviou arquivos de suas câmeras para o seu computador principal.

 

Novo foguete será lançado em Agosto

nasa

nasa

Recentemente redesenhado, o foguete Antares da Orbital ATK foi ajustado para o lançamento em 22 de agosto e está programado para levar cápsula de carga Cygnus da empresa para a Estação Espacial Internacional. O veículo foi reformulado após uma versão anterior ter explodido poucos segundos após o voo. A empresa realizou uma investigação sobre o assunto, concluindo que o problema começou em um dos dois motores AJ26 do foguete, que são feitas pelo fabricante Aerojet Rocketdyne.

A empresa ainda precisava de uma maneira de lançar cargas para o espaço, uma vez que detém contratos com a NASA para reabastecer periodicamente a ISS. Com este próximo lançamento, Orbital usará seus próprios foguetes mais uma vez. Isto marcará a sexta missão de reabastecimento de carga para a empresa.

Fonte: The Verge
Foto: NASA

Avião movido a energia solar voou com sucesso ao redor do mundo

aviao-movido-energia-solar

aviao-movido-energia-solar

A Solar Impulse 2, aeronave movida à energia solar, está quase finalizando a viagem ao redor do mundo. Após partir do aeroporto de Sevilha, na Espanha, voou aproximadamente 50 horas e 30 minutos até pousar na cidade do Cairo, no Egito.
O previsto é que a viagem termine em Abu Dhabi, nos Emirados Árabes. Durante o projeto, os voos puderam ser acompanhados no site da equipe da Solar Impulse e muitos leitores desejavam sucesso durante a empreitada.

As asas possuem 17.248 células solares que são capazes de armazenar energia para repassar aos motores elétricos que fazem as hélices se moverem. Com uma velocidade média de 75 km/h, o avião passou por vários lugares ao redor do mundo.

Fonte: TecMundo
Foto: Reprodução

Novo projeto permite robô estacionar automóveis na garagem

automovel

automovel

Marco Wu, presidente da Yee Fung Automation Technology – empresa especializada em automação de processos – desenvolveu o robô Geta que levanta o veículo e o leva até uma vaga disponível na garagem. Os equipamentos desse novo projeto são interligados em um sistema que é capaz de detectar e direcionar o automóvel para os espaços adequados.

Com mobilidade em 360 graus, o robô calcula os espaços em questão de segundos. “O robô manobrista foi criado para aumentar o espaço dos estacionamentos”, explicou Wu. Porém, o valor não é nada acessível, afinal, custará aproximadamente US$ 150 mil, o equivalente a R$ 490 mil. E aí, o que você achou?

Fonte: Reuters
Foto: Reprodução

 

Empresa criará fibra ótica no espaço

fibra-otica

fibra-oticaA empresa Made In Space que opera uma impressora 3D na Estação Espacial Internacional anunciou o seu próximo grande projeto: criação de fibra óptica em ambiente de microgravidade. A empresa está programado para enviar um novo produto de fabricação para a ISS no primeiro trimestre de 2017. Se os testes iniciais forem bem sucedidos, eles podem começar a produzir fibra óptica de alta qualidade para aplicações aqui na Terra, como internet à base de fibra, dispositivos médicos e sensores para a indústria aeroespacial e de defesa.

A fibra produzida por via terrestre, cultivadas sob os efeitos da gravidade, sofre impurezas de vidro e formações de microcristais que contribuem para a perda de dispersão e absorção, além de reduzir a qualidade global da fibra, o que resulta na degradação do sinal. Por isso, a Made In Space tentará aperfeiçoar o produto. A empresa acredita que a fibra óptica com ação de microgravidade iria melhorar tanto o tempo de resposta como o rendimento em comparação com fibra óptica tradicional atualmente em uso para as telecomunicações.

O projeto prevê a fabricação no espaço em parceria com Thorlabs – empresa de fibra e laser óptico. Juntos, eles vão produzir quantidades de teste de fibra cultivada-microgravidade na ISS, e executar testes adicionais sobre o produto quando enviado para a Terra. Se os resultados forem promissores, Made In Space está preparada para desenvolver instalações de produção de fibra óptica de grande escala no espaço. “O objetivo desta parceria é combinar a nossa experiência em fabricação com a experiência de fibra óptica Thorlabs ‘, a fim de desenvolver-se rapidamente de fibra de alta qualidade, fabricado-microgravidade e apresentá-lo em mercados novos e existentes”, comentou Andrew Ponta, CEO da Made In Space.

Fonte: Mashable
Foto: Pixabay

Novo satélite com alta tecnologia será lançado em setembro

SONY DSC

SONY DSC

Walter Scott, fundador e CTO da Digital Globe, passou quase quatro anos projetando e construindo o satélite WorldView 4. Todos os componentes são alimentados por painéis solares da base padrão para reduzir os custos através de um adaptador personalizado. É bem provável que você já tinha visto esse tecnologia, já que a maioria das imagens de satélite do Google Maps e Google Earth provem da empresa americana.

WorldView 4 será lançado em um foguete Atlas 5 de Vandenberg Air Force Base em 15 de setembro de 2016. Antes do lançamento, o satélite será transportado 250 milhas para o sul para a base de sua posição atual no campus Sunnyvale da Lockheed Martin.

Apesar do seu tamanho, o satélite pesa aproximadamente o mesmo que uma caminhonete. Os propulsores vão ajudar a posicioná-lo no lugar correto. O sistema de comunicação está localizado no exterior da peça e gira independentemente do resto do satélite. A antena pode apontar em qualquer direção, o que permitirá captar imagens e ainda transmiti-las de volta para a Terra.

Fonte: Mashable
Foto: Reprodução/JOHN MANNES / JOHN MANNES

Cientistas criam robôs para ajudar fazendeiros na agricultura

robo-agricultura

robo-agricultura

Salah Sukkarieh, professor de robótica da Universidade de Sydney, é o líder do projeto para inserir robôs na agricultura. O Centro Australiano de Robótica de Campo (ACFR ) hospeda cerca de 130 pesquisadores e engenheiros para construir robôs para mineração e aviação, mas também está olhando como sistemas automatizados poderiam ajudar pecuaristas e agricultores.

A ACFR fez seu primeiro teste do SwagBot em uma fazenda perto de Newcastle, na Austrália. O robô SwagBot tem baixo custo e pode auxiliar fazendeiros em grandes áreas. “Por causa do tipo de terreno, é necessário ter energia suficiente e capacidade de articulação para escalar sobre troncos e valas “, disse Sukkarieh ao site Mashable. Ao longo dos próximos anos , o laboratório pretende construir mais autonomia para o robô para que ele possa executar determinadas tarefas, como por exemplo, monitorização ou capina animal.

Entre outros robôs, o ACFR também criou o Joaninha – que irá remover ervas daninhas e colheita – , e o J3 Cub, um veículo aéreo não tripulado que poderia ser usado na detecção de plantas daninhas.

Fonte: Mashable
Foto: AUSTRALIAN CENTRE FOR FIELD ROBOTICS

Sonda Juno envia imagens para NASA

juno-jupiter

 

juno-jupiter

Presa à gravidade de Júpiter, a sonda Juno voltou a produzir novas imagens. A JunoCam, câmera que opera com comprimentos de onda que podem ser visualizadas pelo olho humano, captou algumas fotos cerca de 4,3 milhões de km de distância, por isso, não é possível visualizar detalhadamente. Os cientistas estavam apreensivos porque a gravidade do planeta é muito grande e a câmera poderia não suportar. Com o envio dessas imagens, os pesquisadores acreditam que novas fotos com qualidade na resolução poderão ser transmitidas à Terra apenas em agosto.

Fonte: Mashable
Foto: Reprodução/NASA

Cientistas descobrem um planeta anão além de Netuno

descoberta-planeta-anao

descoberta-planeta-anao

Cientistas descobriram um planeta anão nunca antes visto dentro do anel de corpos gelados além da órbita de Netuno. O pequeno mundo novo – temporariamente chamado 2015 RR245 – tem cerca de 435 milhas de diâmetro e está em uma grande órbita que leva para mais longe do Sol. “Os mundos gelados para lá de Netuno rastreiam como os planetas gigantes são formados”, disse Michele Bannister, um dos pesquisadores que ajudou a descobrir o planeta.

2015 RR245 está agora a caminho de sua maior aproximação com o sol e foi catalogado como o maior objeto no cinturão de Kuiper, de acordo com o Minor Planet Center – organização responsável pela catalogação desses tipos de resultados para a comunidade internacional. Os pesquisadores ainda não sabem muito sobre o planeta anão por causa de sua enorme distância da Terra, mas pretendem investigá-lo o mais rápido possível.

Fonte: Mashable
Foto: Reprodução/OSSOS TEAM

Nebulosa de Orion pode revelar novas teorias sobre formação de estrelas

nuvem

nuvem

Com ajuda do Telescópio do Observatório Europeu do Sul, cientistas foram capazes de olhar para a região de formação de estrelas em luz infravermelha. Com isso, foi possível observar vários “objetos de baixa massa”, como as anãs marrons – também conhecidas como estrelas falhadas – e até mesmo objetos cósmicos que têm uma massa semelhante a de um planeta. “Entender como muitos objetos de pequena massa são encontrados na nebulosa de Orion é muito importante para restringir teorias atuais de formação de estrelas”, disse Amelia Bayo, um dos cientistas da equipe.

Apesar do fato de que a nebulosa de Orion tem sido estudada há décadas, os cientistas estão apenas começando a entender o que pode ter levado à formação de estrelas no interior dela. ” Nosso resultado parece como um vislumbre de uma nova era da ciência na formação de estrelas “, comentou Holger Drass , outro cientista que trabalha com a equipe.

A nebulosa de Orion pode realmente ser vista da Terra a olho nu. A região parece com uma mancha difusa dentro da constelação Orion , e se estende por 24 anos-luz.

Fonte: Mashable
Foto: Reprodução