Nova missão pretende desvendar desaparecimento de crateras no planeta anão Ceres

Ceres

Ceres

Desde que a sonda Dawn da NASA começou a tirar fotos do planeta anão Ceres no Cinturão de Asteróides, em 2015, os cientistas ficaram perplexos com a superfície relativamente lisa da rocha espacial. Para desvendar esse mistério, os pesquisadores usaram simulações de computador para modelar como Ceres provavelmente evoluiu ao longo do tempo, mostrando os tipos diferentes de crateras do planeta anão.

De acordo com as simulações de computador, Ceres deve ter pelo menos 40 crateras que são maiores do que 62 milhas de largura, e em algum lugar entre 10 e 15 crateras que são maiores do que 250 milhas de diâmetro. Mas não é isso que a superfície de Ceres mostra! Novas Imagens indicam que o planeta anão tem apenas 16 crateras que são maiores do que 62 milhas de diâmetro. Os pesquisadores ainda não sabem exatamente a causa do desaparecimento das crateras, mas pretendem obter respostas em breve. A NASA recentemente estendeu a missão Amanhecer, de modo que a nave espacial permanecerá em órbita ao redor de Ceres. Uma análise mais aprofundada dos dados de Dawn pode conter as respostas que eles esperam.

Fonte: The Verge
Foto: Southwest Research Institute/Simone Marchi

Sonda da NASA envia fotos de Plutão que mostram superfície congelada

plutao-oceano-congelado

plutao-oceano-congelado

Abaixo da superfície de Plutão, foi possível detectar um oceano congelado. Essa recente descoberta foi enviada pela sonda New Horizons da NASA, que passou pelo planeta anão no ano passado. As imagens que a sonda enviou mostram que a superfície é constituída por diferentes tipos de gelo. Durante o seu voo, New Horizons encontrou fendas gigantes e linhas de falhas com centenas de quilômetros de comprimento e quatro quilômetros de profundidade. “O New Horizons revelou que existem características tectônicas que indicam que Plutão passou por um período de expansão global”, diz Noah Hammond, autor de um novo estudo sobre o planeta.

A questão de como esse oceano permaneceria líquido tão longe do calor do Sol é fácil de responder. Os pesquisadores acreditam que existem elementos radioativos que produzem calor suficiente dentro do núcleo rochoso do planeta para derreter parte de sua concha gelada. Ao longo do tempo, as partes exteriores da porção fundida começaram a voltar a congelar. Caso a teoria dos pesquisadores estejam corretas, Plutão teria uma camada de gelo com aproximadamente 300 quilômetros de espessura na superfície do planeta, escondendo um oceano profundo abaixo.

Fonte: Techradar
Foto: Reprodução