Avião supersônico não emite gases poluentes

aviao-supersonico

aviao-supersonico

O novo projeto de um avião supersônico foi desenhado pelo designer Oscar Viñals e será lançado de Londres a Nova York com previsão de chegada em 2h30. Chamado de Flash Falcon, é capaz de atingir a velocidade de 3700 km/h, pousará como um helicóptero e transportará 250 pessoas.

Por ser movido a um reator de fusão nuclear portátil, o avião não emite gases poluentes. “Esse é o início de uma geração de aviões ecológicos e superpotentes”, comentou o autor do projeto, Oscar Viñals.

Fonte: Forbes
Foto: Reprodução

Avião movido a energia solar dará volta ao mundo

aviao-energia-solar

aviao-energia-solar

O Solar Impulse 2, avião movido a energia solar, chegou à Nova York nas primeiras horas da manhã de sábado e desembarcou no Aeroporto Internacional John F. Kennedy após quatro horas e 41 minutos de voo da Pensilvânia .”Recebemos respostas muito positivas e animadoras durante a nossa viagem através dos Estados Unidos porque é um país de pioneiros e exploradores “, disse Bertrand Piccard , co- fundador do projeto.

Solar Impulse 2 inicialmente começou a sua viagem ao redor do mundo em março 2015, decolando de Abu Dhabi e fazendo paradas em Omã, Índia, Myanmar, China e Japão antes de voar para o Havaí. A bateria do avião foi danificado durante a sua viagem, obrigando os pilotos a suspenderem sua viagem até abril, quando Piccard decolou do Havaí para uma viagem de três dias para o continente. Desde sua chegada na Califórnia, Piccard e Borschberg pilotaram o avião com apenas quatro paradas antes de chegar em Nova Iorque.

O que tudo indica é que o avião continuará a sua viagem ao redor do mundo, voando sobre o Oceano Atlântico ao Norte da África ou na Europa antes de retornar para Abu Dhabi.

Fonte: Mashable

Os caminhos da tecnologia em 2016

4-maneiras-de-proteger-o-seu-pc

Em busca de meios para que seus clientes alcancem melhores resultados com as novas tecnologias, a Micro Focus, uma das 15 maiores empresas de software do mundo, está sempre atenta às inovações. Para que seus clientes potencializem os investimentos já realizados, seus especialistas têm como objetivo desvendar como as novas tendências podem se aliar às antigas, fortalecendo o aparato tecnológico já utilizado. Veja abaixo algumas das tendências listadas pelos especialistas para 2016:

Tendência #1: A corrida pela Internet das Coisas 
Este ano será o começo da corrida do ouro para os consumidores da IoT. Fornecedores como Google, Amazon e Microsoft estão se alinhando para se tornarem os pontos de conexão entre os usuários e a IoT – o fornecedor será o intermediador de cada interação: pessoa com as máquinas e as tecnologias em torno do usuário. A competição será principalmente para o desenvolvimento de casas inteligentes, pois esse é o primeiro lugar em que a internet das coisas se tornará realidade para os consumidores. O fornecedor que der a largada em 2016 irá arcar com o desafio da segurança, além de gerar um grande impacto na vida destes usuários.

Tendência #2: “Mobile first” já não é suficiente
A ideia de uma abordagem ‘mobile first’ para os negócios foi um dos focos das organizações em 2015. Isso fez com que as equipes de desenvolvimento abraçassem novas e diferentes tecnologias móveis. Neste ano, é esperado um mind set das empresas evoluindo a tendência de ‘mobile first’ rumo a uma abordagem multi-plataforma. As organizações estão começando a perceber que o foco no celular por si só já não é suficiente. Em vez disso, a combinação de desktop, móvel e wearable são as novas exigências dos clientes. Em 2016, os times de desenvolvimento precisarão assegurar que todos os programas criados tenham uma boa performance em qualquer dispositivo.

Tendência #3: A necessidade de um padrão de privacidade global vai crescer
A necessidade de um padrão de privacidade está crescendo em todos os países. Atualmente, cada nação determina sua política de segurança, o que acarreta ainda mais dificuldade ao fazer negócios em diferentes mercados. Um padrão internacional terá de ser desenvolvido para ajudar a resolver este problema e permitir que companhias possam competir globalmente. Além disso, a criação de um padrão global também ajudará as equipes de conformidade e segurança que, atualmente, têm de cumprir uma política diferente para cada país.

*Agradecimentos à Micro Focus pelo artigo

Bill Gates acredita que a miséria pode ser eliminada até 2030

No dia 20 de janeiro, o fundador da Microsoft, Bill Gates, publicou um artigo onde ele deixa claro que para ele a miséria, que assola diversos lugares, pode ser extinta até 2030. Além disso ele acredita que meios e métodos surgirão para ajudar as pessoas de países mais pobres. O artigo veio em reflexo ao Global Goals, que são metas estipuladas e assinadas por 193 países em setembro de 2015.

Para ele são necessários três passos para mudar a atual situação e chegar próximo de dar fim a miséria. O primeiro é o apoio a instituições que dedicam seu tempo a levar atendimento médico a países com deficiência nesse setor. Já o segundo é dar mais poder e espaço para mulheres e meninas. Por fim, ele acredita que medidas tecnológicas devem ser tomadas para ajudar os necessitados, levando desenvolvimento e novas criações que possam ajudar as pessoas.

Com esses três pontos e dobrando o investimento em saúde até 2020, Bill Gates afirma que as metas definidas no Global Goals podem ser alcançadas sem nenhum problema.

Inventor cria um “Sabre de Luz”

O sabre de luz da série Star Wars é o sonho de consumo de qualquer fã da série. Além de ser um objeto da ficção, nenhuma tecnologia atual conseguiria criar um sabre exatamente igual. Entretanto o inventor Allen Pan, fez uma das versões mais divertidas no mundo das réplicas.

Allen Pan é conhecido na internet por ter feito o martelo do Thor. Mas não era um martelo qualquer, era um que apenas os dignos poderiam levantar, ou quem tem conhecimento de super imãs.

Já seu sabre de luz, não emite luz propriamente dito e sim uma chama que fica com o formato idêntico ao do sabre. Sendo fogo, ele é perigoso e necessita de cuidados na hora manusear. No vídeo a seguir, ele demonstra para alguns amigos como ele funciona e eles até brincam um pouco de queimar as coisas. Confira:

Volvo promete carro sem acidentes fatais até 2020

Durante uma entrevista à CNN Money, alguns executivos da Volvo disseram que até 2020 a empresa já conseguirá criar carros onde, em caso de acidentes, ninguém sairá morto ou ferido gravemente. Mesmo com tendo o carro mais seguro do mundo (o XC90 não registrou nenhum acidente fatal em 4 anos), a empresa pretende ir mais além.

Para isso a empresa pretende aumentar a segurança dentro do veículo, criando airbags e cintos de segurança mais resistentes e que suportem maiores impactos. Além disso, carros mais inteligentes também estão nas medidas de segurança.

Algumas das tecnologias que podem ser adicionadas também são usadas em carros autônomos, como por exemplo o Cruise Control, que mantém a velocidade definida mas pode reduzir e até frear o carro caso perceba um perigo. Outro é o sensor de faixas, que podem ajudar caso o motorista cochile no colante e por fim um sistema de câmeras que capaz de identificar perigos, semelhante a um já usado para detectar grandes animais na América do Norte.

Fonte: Extremetech

Drone pousa sozinho sobre carro em movimento

Os drones, veículos voadores não tripulados, estão ficando cada vez mais famosos, graças ao seu potencial. Para explorar ao máximo esse tipo de aeronave, novas tecnologias são criadas e adicionadas a eles, tornando-os ainda mais interessantes.

Um grupo de pesquisadores do Centro Espacial Alemão, testou uma nova tecnologia desenvolvida para auxiliar os veículos não tripulado em pousos problemáticos. Para fazer esse teste eles fizeram o drone pousar, de forma autônoma, em um carro em movimento.

O teste foi um sucesso e essa tecnologia pode trazer outros benefícios no futuro, como melhorar o desempenho das aeronaves e automatizar diversos processos. Confira o vídeo a seguir:

Empresa cria roupa de realidade virtual

A empresa Tesla Studios, que não tem relação com a fabricante de carros, desenvolveu um macacão que irá adicionar sensações diferentes durante a utilização de um óculos de realidade virtual, levando a experiência para todo o corpo. Com o nome de Teslasuit, ele foi desenvolvido com a tecnologia de estimulo elétrico e neuromuscular, usada na medicina.

A roupa possui duas versões. A primeira chama Pioneer, com 16 canais, já a segunda é chamada de Prodigy, com 52. Cada canal controla sensores, que podem gerar sensações na pele, através de pequenos impulsos elétricos que podem criar diversas sensações, como tato, sensação de vento, água, calor, frio e força. Em resumo, ela pode simular o impacto de uma bala, ou um dia de ventania.

A empresa afirma que a roupa é leve e não necessita do uso de fios. Sem vibrações ou ruídos, elas podem ser integradas com diversos óculos de realidade virtual, como por exemplo o Oculus Rift.

No momento ela está em financiamento coletivo no Kickstarter. Com entrega prevista para dezembro desse ano, a roupa com 16 canais custa 1,7 mil dólares e a com 52 está 3,6 mil.

Fonte: Gizmag

DARPA irá desenvolver maneira de controlar máquinas com a mente

Divulgação DARPA

O órgão militar de tecnologia estadunidense, DARPA, anunciou que está desenvolvendo um novo programa para desenvolver uma nova tecnologia. O objetivo é criar um implante capaz de controlar aparelhos através da mente do seu utilizador. Com menos de um centímetro cúbico, o dispositivo teria o tamanho parecido ao de duas moedas grudadas.

Chamada de Design de Sistema de Engenharia Neural, ou NESD, essa iniciativa de pesquisa irá aumentar consideravelmente as pesquisas em neurotecnologia e também pode trazer descobertas em outros segmentos da ciência.

“Os melhores sistemas de interface entre computador e cérebro de hoje são como dois supercomputadores tentando conversar por uma plataforma ultrapassada. Imagine o que vai se tornar possível quando melhorarmos nossas ferramentas para realmente fazermos um link entre a mente humana e os eletrônicos modernos”, afirmou o gerente do NESD.

Fonte: The Next Web

Pesquisadores criam sensor cerebral que pode dissolver

Foto Divulgação

Com o avanço da tecnologia e pesquisa, uma equipe de pesquisadores criou um sensor cerebral do tamanho de um grão de arroz. Além de pequeno ele pode dissolver sozinho depois.

Dessa maneira, os monitoramentos de temperatura, pressão e biomoléculas específicas podem ocorrer de forma mais simples e menos invasiva. Já que para retirar os equipamentos que são colocados atualmente, é necessária uma cirurgia que pode causar complicações.

O projeto foi desenvolvido para o cérebro, entretanto, os pesquisadores acreditam que no futuro esse tipo de sensor possa atuar em outras localidades do corpo e para situações diferentes, como por exemplo monitorar a insulina de diabéticos.

Para chegar nesse resultado, os pesquisadores utilizaram diversos compostos químicos encontrados em alimentos que são consumidos normalmente pelas pessoas. E o principal componente para fazer a estrutura do sensor é um copolímero dissolvível. Atualmente ele dura alguns dias em condições normais, mas a ideia dos pesquisadores é aumentar a resistência, para que ele dure algumas semanas.

Fonte: Ars Technica